domingo, 27 de novembro de 2011

O "génio" Cavaco...

[texto de Maria Encarnação Gorgulho Santos. AZ]

O "génio" Cavaco, ...

SEM COMENTÁRIOS….REPASSO….
"A Dívida de Gratidão?
Naqueles longínquos anos 80 o Prof. Aníbal Cavaco Silva era docente na Universidade Nova de Lisboa.
Mas o prestígio académico e político que entretanto granjeara, (recorde-se que havia já sido ministro das Finanças do 1º Governo da A.D.) cedo levaram a que fosse igualmente convidado para dar aulas na Universida...de Católica.
Ora, embora esta acumulação de funções muito certamente nunca lhe tivesse suscitado dúvidas ou sequer provocado quaisquer enganos, o que é facto é que, pelos vistos, ela se revelou excessivamente onerosa para o Prof. Cavaco Silva.
Como é natural, as faltas às aulas obviamente às aulas da Universidade Nova começaram a suceder-se a um ritmo cada vez mais intolerável para os órgãos directivos da Universidade.
A tal ponto que não restou outra alternativa ao Reitor da Universidade Nova,na ocasião o Prof. Alfredo de Sousa, que não instaurar ao Prof. Aníbal Cavaco Silva um processo disciplinar conducente ao seu despedimento por acumulação de faltas injustificadas.
Instruído o processo disciplinar na Universidade Nova, foi o mesmo devidamente encaminhado para o Ministério da Educação a quem, como é bom de ver, competia uma decisão definitiva sobre o assunto.
Na ocasião era ministro da Educação o Prof. João de Deus Pinheiro.
Ora, o que é facto é que o processo disciplinar instaurado ao Prof. Aníbal Cavaco Silva, e que conduziria provavelmente ao seu despedimento do cargo de docente da Universidade Nova
, foi andando aos tropeções, de serviço em serviço e de corredor em corredor, pelos confins do Ministério da Educação.
Até que, ninguém sabe bem como nem porquê,... desapareceu sem deixar rasto...
E até ao dia de hoje nunca mais apareceu.
Dos intervenientes desta história, com um final comprovadamente tão feliz,sabe-se que entretanto o Prof. Cavaco Silva foi nomeado Primeiro-ministro.
E sabe-se também que o Prof. João de Deus Pinheiro veio mais tarde a ser nomeado ministro dos Negócios Estrangeiros de um dos Governos do Prof. Cavaco Silva, sem que tivesse constituído impedimento a tal nomeação o seu anterior desempenho, tido geralmente como medíocre, à frente do Ministério da Educação.
Do mesmo modo, o seu desempenho como ministro dos Negócios Estrangeiros, pejado de erros e sucessivas gaffes , a tal ponto de ser ultrapassado em competência e protagonismo por um dos seus jovens secretários de Estado, de nome José Manuel Durão Barroso, não constituiu impedimento para que o Primeiro-ministro Aníbal Cavaco Silva viesse mais
tarde a guindar João de Deus Pinheiro para o cargo de Comissário Europeu.
De qualquer modo, e como é bom de ver, também não foi o desempenho do Prof.João de Deus Pinheiro como Comissário Europeu, sempre pejado de incidentes e críticas, e de quem se dizia que andava por Bruxelas a jogar golfe e pouco mais, que impediu mais tarde o Primeiro-ministro Cavaco Silva de o reconduzir no cargo.
A amizade é, de facto, uma coisa muito bonita...

Maria Encarnação Gorgulho Santos"

sábado, 26 de novembro de 2011

Metade do empréstimo da "Troika" são juros para pagar!...

Numa era em que a informação é global, vai-se tornando progressivamente mais difícil encobrir os esquemas da "corporação global" que criminosamente se apoderou do trabalho dos outros, que criminosamente se apoderou do futuro da humanidade.
Se pensássemos em termos de máquinas térmicas, já que a palavra "trabalho" tem um significado muito específico em engenharia e ciência, é de esperar que "os agentes de transformação", isto é, o trabalhador no  espaço da sociedade e a água numa locomotiva a vapor, tenderão a explodir, pois que de modo artificial e brutal se impede que grandezas fundamentais, tais como energia (a que está associada a capacidade de realizar trabalho) e entropia (associada à organização de um sistema), sigam as leis da natureza.
A revolta dos escravos. Im. credit: percaritatem.com



Agora começam a chegar os arautos da liberdade, Mário Soares e outros, clamando a defesa da liberdade, quando há muito já deveriam ter intervido e batalhado por ela. Quando a humanidade recobrar forças e adquirir plena consciência do momento histórico gritante que todos atravessamos (com o Estado apoderado por corporações corruptas e pela banca gananciosa), então a história da humanidade retomará o seu curso normal.

Camponeses em revolta.

Agora chega esta notícia de que metade da dívida são juros...E os povos indefesos contra esta autêntica malfeitoria "legalizada" pela força bruta e pela ignorância.
Hoje surge a notícia que o Paulo Portas perdoa milhões de euros num negócio com a indústria provada num caso com contornos pouco claros, leia aqui.

Frente a esta série de roubos consecutivos a população entreolha-se com espanto. O que fazermos? Chegará o momento em que a humanidade revoltada irá repor a ordem. Com a globalização não chegou apenas o roubo e a corrupção. Chegou também a hora da humanidade recuperar a sua dignidade como um todo.

Cito aqui Albert Camus, na sua obra obrigatória nos tempos que correm, o Rebelde:
The rebel undoubtedly demands a certain degree of freedom for himself; but in no case, if he is consistent, does he demand the right to destroy the existence and the freedom of others. He humiliates no one. The freedom he claims, he claims for all; the freedom he refuses, he forbids everyone to enjoy. He is not only the slave against the master, but also man against the world of master and slave. Therefore, thanks to rebellion, there is something more in history than the relation between mastery and servitude. Unlimited power is not the only law. It is in the name of another value that the rebel affirms the impossibility of total freedom while he claims for himself the relative freedom necessary to recognize this impossibility.
The Rebel
Albert Camus


Albert Camus. Image credit: lifewastedchasingtrains.com

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

O Governo não tem plano de desenvolvimento do país?!...

Infelizmente, e para nosso desespero, o governo de Passos Coelho mostra não ter plano de desenvolvimento para o nosso país. Embora sejam membros do governo alguns "técnicos", muitos deles mostram uma incompetência enorme para orientar as necessidades de organização e desenvolvimento do Estado.

Refiro aqui alguns casos flagrantes (que detectei por acaso, sem pesquisa sistemática):

Secretário de Estado dos transportes propõe redução da velocidade máxima do metro de 60 para 45 km/h - É duvidoso que a esta velocidade (melhor dizendo, rapidez) o metro consuma menos. O que se designa desempenho máximo do comboio ("train") é cerca de 60 km/h. Ao reduzir-se esta velocidade o efeito de inércia e atritos do comboio predominam e os gastos aumentam. O governo devia consultar especialistas nesta área antes de tomar medidas à la "gestor".

Outra evidencia da falta de informação de outros membros do governo (pelo menos aparenta ser, embora não duvide que este ministro tenha grande competência na sua área específica da economia, mas esta sessão na Assembleia revela grande falta de conhecimento sobre a realidade do país).







Até certo ponto pode-se compreender que um ministro tenha uma compreensão profunda do todo, não necessariamente de alguns aspectos específicos. Mas já um secretário de estado, esse é suposto ser o "técnico", aquele que conhece com profundidade todo e qualquer dossier. Será esse o caso neste e noutros governos? É claro para todos que este governo não tem uma visão estratégica para Portugal, não se mostra conhecer em profundidade os problemas reais do país e não se conhece estratégia para potenciar o seu desenvolvimento económico e social. Os argumentos do governo para "convencer" a população são redundantes, apenas referem que gastamos para lá das nossas possibilidades (como tal pode ser se 1/4 da população está no limiar da pobreza e os restantes ainda são remediados, sendo apenas uns 5 % muito abastados, a maioria ligada a negócios com os governantes)? Esta situação só por si revela grande incompetência, pois como se diz nos fóruns até uma "dona de casa" saberia cortar nos gastos. Mas gerar riqueza...aí já não é para qualquer um...

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Mais um escândalo: 220 mil agricultores pagos para não produzir!...

[Circula na internet. Deixo aqui para "avisar a malta do que faz falta". Vide também aqui no JN.AZ]


EXPRESSO, 8 de Outubro de 2011
220 mil agricultores portugueses recebem subsídio para não produzir.

António Moreira, um advogado de Torres Vedras, em agosto, intentou umaação popular contra o Estado português, pedindo, entre outras coisas,
a revisão de todos os programas negociados com a União Europeia na
área da agricultura e das pescas e a criação de um banco de terras
nacional que envolva todos os municípios.
O advogado espera receber na próxima semana a contestação do
Ministério Público aos 59 pontos da ação popular. Grande parte passa
por estatísticas: 220 mil agricultores recebem subsídio para não
produzir (dois mil dos quais recebem por ano €250 milhões); há dois
milhões de hectares de território abandonados, sem qualquer cultivo;
80% dos bens alimentares consumidos em Portugal são importados; 100
mil hectares arderam em 2010; há 600 mil desempregados... "Se as
fronteiras fossem fechadas durante duas semanas, por qualquer motivo,
morríamos todos de fome", assegura António Moreira

Nota: depois de ler este excerto do artigo publicado no Expresso,
indigne-se, pela sua saúde.

Greve Geral de 24 Novembro-medidas fora do comum a adoptar pela população.

[Circula nas redes sociais esta mensagem com sugestões muito interessantes a adoptar pela população. Esta iniciativa é apenas um pequeno e pálido exemplo da força que um povo pode ter. AZ ]

Greve Geral - 24 de Novembro de 2011



Amigos,

Aqui vai uma ideia que pensamos ser uma das formas de resposta adequada ao ROUBO que nos estão a fazer.

Muitos de nós já não poderemos, por várias razões, participar em manifestações ou até mesmo em concentrações de rua para manifestarmos
o nosso repúdio pelas medidas que estão a ser tomadas contra os reformados, os trabalhadores, ou melhor, contra os Portugueses.

Assim, a nossa proposta é de que no dia 24 de Novembro, como protesto, não façamos qualquer espécie de consumo, isto é, façamos greve à EDP,
ao Gás, à Água, aos Operadores de telemóveis e à PT (com excepção aos telefones gratuitos).

Esta proposta é para que durante as 24 horas do dia 24, as principais empresas fornecedoras de bens e serviços, sentirem bem o que é estarem
UM DIA sem facturarem!

Aqui vão umas dicas:

- Se não puderem prescindir desses bens durante as 24 horas, pelo menos façam-no de forma a que O NÃO CONSUMO coincida, em todas as
casas, das 0 horas ao meio dia; (Já viram o que será termos os contadores todos parados?!)
- Não façam uso dos "serviços" dos Bancos nesse dia;

- Façam todas as compras para abastecimento desse dia, no dia anterior;

- Abasteçam-se de água também de véspera;

-Tomem banho antes da meia noite de 23/11;

- Desliguem todos os electrodomésticos, incluindo TV;
-Liguem só rádio a pilhas para ouvir as notícias;
- Não utilizem os telemóveis;

-Utilizem só os telefones fixos gratuitos;
- Preparem comida que possa ser servida fria;

- MUITO IMPORTANTE ter em casa velas ou lanternos a pilhas;

                     

É SÓ UM DIA!

                         NÃO CUSTA NADA , A QUEM SÃO PEDIDOS TANTOS SACRIFICIOS!

Muitos de nós já passamos sem estes bens!... Não queremos voltar atrás!

Se está de acordo, passe este email a todos os seus amigos. Todos seremos mais uma força para mostrar que queremos um País mais justo.


sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Boas Festas para todos os contribuintes...

[Mais um momento Zen... de catarse nacional...AZ]

Diz o Passos Coelho: QUE TAL ENVIARMOS AS BOAS FESTAS A TODOS OS CONTRIBUINTES DESEJANDO UM PRÓSPERO ANO DE 2012?

Resposta do Finanças:

Na Suíça o tecto salarial máximo na reforma é 1700 euros...

Para vermos o que se passa na Suíça, onde apesar de tudo há mais seriedade e cuidado com a população. Na reforma cada indivíduo tem direito a apenas uma reforma, independentemente da profissão ou profissões que tenha exercido, e o seu valor máximo é 1700 euros. A responsável explica porquê. Vejam este video.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

DEPUTADOS C/SUB NATAL E FÉRIAS EM 2012!...


[Mais uma mensagem que corre as redes sociais. AZ]

Assinem a petição: http://peticaopublica.com/PeticaoVer.aspx?pi=P2011N16298

DEPUTADOS C/ Sub NATAL e FÉRIAS em 2012
DEPUTADOS C/ Sub NATAL e FÉRIAS em 2012
Ora toma lá que é democrático!!
Até quando vai este povo amouchar como um burro que, como dizia Guerra Junqueiro, "já nem com as orelhas consegue enxotar as moscas" ??

Saiu o Orçamento para a Assembleia da República e eles lá estão: o Subsídio de Férias e de Natal. Claro que já sabemos que estes políticos são super-portugueses, aos quais não se aplicam as leis aplicáveis à populaça... mas não haverá um mínimo de decoro?!
Para quem pense que se trata de uma fotomontagem, tomem lá um segundo link, para o próprio Diário da República, para que não hajam dúvidas.
Indignem-se!!!
Deputados e funcionários da Assembleia da República contemplados com subsídios de férias e de natal em 2012 no orçamento APROVADO por TODOS os partidos. À semelhança do que foi justificado para a TAP PORTUGAL, também agora devem vir informar que havia perigo de fuga destes "cérebros" todos para o estrangeiro...
DIVULGUEM A TODOS OS VOSSOS CONTACTOS OS SACRIFÍCIOS DE QUEM NOS GOVERNA, DA EXTREMA ESQUERDA À DIREITA...SEM EXCEPÇÃO
VERGONHOSO
http://dre.pt/pdf1sdip/2011/10/20000/0465804667.pdf
reparem na tabela da página 4659, ao fundo, cerca de 2 milhões de euros para subsídio de férias + subsídio de Natal e umas linhas mais em baixo o montante para ajudas de custo: .... 3 milhões de euros!!! Curiosamente NENHUM partido se indignou com esta tabela do DR!!


terça-feira, 15 de novembro de 2011

Este é o maior fracasso da democracia portuguesa

[Este texto da CFA desvenda o pântano onde nos afundámos, onde se afundou a democracia e renasce o fascismo. AZ]
Este é o maior fracasso da democracia portuguesa

image001.jpg@01CC9ACC.6CBC7E00
Clara Ferreira Alves



(POR CLARA FERREIRA ALVES)


Não admira que num país assim emerjam cavalgaduras, que chegam ao topo, dizendo ter formação, que nunca adquiriram, (Olá! camaradas Sócrates...Olá! Armando Vara...), que usem dinheiros públicos (fortunas escandalosas) para se promoverem pessoalmente face a um público acrítico, burro e embrutecido.

Este é um país em que a Câmara Municipal de Lisboa, em governação socialista, distribui casas de RENDA ECONÓMICA - mas não de construção económica - aos seus altos funcionários e jornalistas, em que estes últimos, em atitude de gratidão, passaram a esconder as verdadeiras notícias e passaram a "prostituir-se" na sua dignidade profissional, a troco de participar nos roubos de dinheiros públicos, destinados a gente carenciada, mas mais honesta que estes bandalhos.
Em dado momento a actividade do jornalismo constituiu-se como O VERDADEIRO PODER. Só pela sua acção se sabia a verdade sobre os podres forjados pelos políticos e pelo poder judicial. Agora continua a ser o VERDADEIRO PODER mas senta-se à mesa dos corruptos e com eles partilha os despojos, rapando os ossos ao esqueleto deste povo burro e embrutecido.

Para garantir que vai continuar burro o grande "cavallia" (que em português significa cavalgadura) desferiu o golpe de morte ao ensino público e coroou a acção com a criação das Novas Oportunidades.
Gente assim mal formada vai aceitar tudo, e o país será o pátio de recreio dos mafiosos.

A justiça portuguesa não é apenas cega. É surda, muda, coxa e marreca.
Portugal tem um défice de responsabilidade civil, criminal e moral muito maior do que o seu défice financeiro, e nenhum português se preocupa com isso, apesar de pagar os custos da morosidade, do secretismo, do encobrimento, do compadrio e da corrupção.

Os portugueses, na sua infinita e pacata desordem existencial, acham tudo "normal" e encolhem os ombros.

Por uma vez gostava que em Portugal alguma coisa tivesse um fim, ponto final, assunto arrumado.
Não se fala mais nisso. Vivemos no país mais inconclusivo do mundo, em permanente agitação sobre tudo e sem concluir nada.

Desde os Templários e as obras de Santa Engrácia, que se sabe que, nada acaba em Portugal, nada é levado às últimas consequências, nada é definitivo e tudo é improvisado, temporário, desenrascado.

Da morte de Francisco Sá Carneiro e do eterno mistério que a rodeia, foi crime, não foi crime, ao desaparecimento de Madeleine McCann ou ao caso Casa Pia, sabemos de antemão que nunca saberemos o fim destas histórias, nem o que verdadeiramente se passou, nem quem são os criminosos ou quantos crimes houve.

Tudo a que temos direito são informações caídas a conta-gotas, pedaços de enigma, peças do quebra-cabeças. E habituamo-nos a prescindir de apurar a verdade porque intimamente achamos que não saber o final da história é uma coisa normal em Portugal, e que este é um país onde as coisas importantes são "abafadas", como se vivêssemos ainda em ditadura.

E os novos códigos Penal e de Processo Penal em nada vão mudar este estado de coisas. Apesar dos jornais e das televisões, dos blogs, dos computadores e da Internet, apesar de termos acesso em tempo real ao maior número de notícias de sempre, continuamos sem saber nada, e esperando nunca vir a saber com toda a naturalidade.

Do caso Portucale à Operação Furacão, da compra dos submarinos às escutas ao primeiro-ministro, do caso da Universidade Independente ao caso da Universidade Moderna, do Futebol Clube do Porto ao Sport Lisboa Benfica, da corrupção dos árbitros à corrupção dos autarcas, de Fátima Felgueiras a Isaltino Morais, da Braga Parques ao grande empresário Bibi, das queixas tardias de Catalina Pestana às de João Cravinho, há por aí alguém que acredite que algum destes secretos arquivos e seus possíveis e alegados, muitos alegados crimes, acabem por ser investigados, julgados e devidamente punidos?

Vale e Azevedo pagou por todos?
Quem se lembra do miúdo electrocutado no semáforo e do outro afogado num parque aquático?
Quem se lembra das crianças assassinadas na Madeira e do mistério dos crimes imputados ao padre Frederico?

Quem se lembra que um dos raros condenados em Portugal, o mesmo padre Frederico, acabou a passear no Calçadão de Copacabana?

Quem se lembra do autarca alentejano queimado no seu carro e cuja cabeça foi roubada do Instituto de Medicina Legal?

Em todos estes casos, e muitos outros, menos falados e tão sombrios e enrodilhados como estes, a verdade a que tivemos direito foi nenhuma.

No caso McCann, cujos desenvolvimentos vão do escabroso ao incrível, alguém acredita que se venha a descobrir o corpo da criança ou a condenar alguém?


As últimas notícias dizem que Gerry McCann não seria pai biológico da criança, contribuindo para a confusão desta investigação em que a Polícia espalha rumores e indícios que não têm substância.
E a miúda desaparecida em Figueira? O que lhe aconteceu? E todas as crianças desaparecida antes delas, quem as procurou?

E o processo do Parque, onde tantos clientes buscavam prostitutos, alguns menores, onde tanta gente "importante" estava envolvida, o que aconteceu? Alguns até arranjaram cargos em organismos da UE.

Arranjou-se um bode expiatório, foi o que aconteceu.
E as famosas fotografias de Teresa Costa Macedo? Aquelas em que ela reconheceu imensa gente "importante", jogadores de futebol, milionários, políticos, onde estão? Foram destruídas? Quem as destruiu e porquê?

E os crimes de evasão fiscal de Artur Albarran mais os negócios escuros do grupo Carlyle do senhor Carlucci em Portugal, onde é que isso pára?
O mesmo grupo Carlyle onde labora o ex-ministro Martins da Cruz, apeado por causa de um pequeno crime sem importância, o da cunha para a sua filha.
E aquele médico do Hospital de Santa Maria, suspeito de ter assassinado doentes por negligência? Exerce medicina?

E os que sobram e todos os dias vão praticando os seus crimes de colarinho branco sabendo que a justiça portuguesa não é apenas cega, é surda, muda, coxa e marreca.

Passado o prazo da intriga e do sensacionalismo, todos estes casos são arquivados nas gavetas das nossas consciências e condenados ao esquecimento.
Ninguém quer saber a verdade.

Ou, pelo menos, tentar saber a verdade.
Nunca saberemos a verdade sobre o caso Casa Pia, nem saberemos quem eram as redes e os "senhores importantes" que abusaram, abusam e abusarão de crianças em Portugal, sejam rapazes ou raparigas, visto que os abusos sobre meninas ficaram sempre na sombra.

Existe em Portugal uma camada subterrânea de segredos e injustiças, de protecções e lavagens, de corporações e famílias, de eminências e reputações, de dinheiros e negociações que impede a escavação da verdade.


Este é o maior fracasso da democracia portuguesa



Clara Ferreira Alves - "Expresso"

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Tempo de minhocas e de filhos de meretriz

[Este é um texto escrito por
Luís Manuel Cunha in Jornal de Barcelos de 02 de Novembro de 2011. AZ]
Tempo de minhocas e de filhos de meretriz

"O dia deu em chuvoso", escreveu Álvaro de Campos. Num tempo soturno, melancólico, deprimente. "Tempo de solidão e de incerteza / Tempo de medo e tempo de traição / Tempo de injustiça e de vileza / Tempo de negação", diria Sophia de Mello Breyner. Tempo de minhocas e de filhos da puta, digo eu. Entendendo-se a expressão como uma metáfora grosseira utilizada no sentido de maldizer alguém ou alguma coisa, acepção veiculada pelo Dicionário da Academia e assente na jurisprudência emanada dos meritíssimos juízes desembargadores do Supremo Tribunal da Justiça. Um reino de filhos da puta é assim uma excelente metáfora de um país chamado Portugal. Que remunera vitaliciamente uma "sinistra matilha" de ex-políticos, quando tudo ou quase tudo à nossa volta se desagrega a caminho de uma miséria colectiva irreversível.

Carlos Melancia, ex-governador de Macau, empresário da indústria hoteleira, personificou o primeiro julgamento por corrupção no pós 25 de Abril. Recebe, actualmente, 9500€ mensais; Dias Loureiro, um "quadrilheiro" do círculo político de Cavaco, ex-gestor da SLN, detentora do BPN, embolsa vitaliciamente 1700€ cada mês; Joaquim Ferreira do Amaral, membro actual da administração da Lusoponte com a qual negociou em nome do governo de Cavaco Silva, abicha 3000 €; Armando Vara, o amigo do sucateiro Godinho que lhe oferecia caixas de robalos e ex-administrador da Caixa Geral de Depósitos, enfarda nada mais nada menos que 2000€; Duarte Lima, outro dos "quadrilheiros" do círculo político cavaquista, acusado pela justiça brasileira do assassinato de uma senhora para lhe sacar uns milhões de euros, advogado na área de gestão de fortunas, alambaza-se mensalmente com 2200€; Zita Seabra, que transitou do PCP para o PSD com a desfaçatez oportunista dos vira-casacas, actual presidente da Administração da Alêtheia Editores, açambarca 3000€… E muitos, muitos outros, que os caracteres a que este espaço me obriga, me forçam a deixar de referir.

Quero, no entanto, relevar um deles – Ângelo Correia, o famoso ministro do tempo da chamada "insurreição dos pregos", actual gestor e criador de Passos Coelho que, nesta democracia de merda, chegou a primeiro-ministro "sem saber ler nem escrever"! Pois Ângelo Correia recebe 2200€ mensais de subvenção vitalícia! E valerá a pena recuperar o que disse este homem ao Correio da Manhã em 14 de Junho de 2010: "A terminologia político-sindical proclama a existência de „direitos adquiridos‟ (…) Ora, numa democracia, „adquiridos‟ são os direitos à vida, à liberdade de pensamento, acção, deslocação, escolha

de profissão, organização política (…) Continuarmos a insistir em direitos adquiridos intocáveis é condenar muitos de nós a não os termos no futuro." Ora, perante a eventual supressão da acumulação da referida subvenção vitalícia com vencimentos privados, o mesmo Ângelo Correia disse à RTP em 24 de Outubro de 2011: "Os direitos que nós temos (os políticos subvencionados) são direitos adquiridos"! Querem melhor? Pois bem. Este é o paradigma do "filho da puta" criador. Porque, depois, há o "filho da puta" criatura. Chama-se Passos Coelho. Ei-lo em todo o seu esplendor, afirmando em Julho de 2010: "Nós não olhamos para as classes médias a partir dos 1000€, dizendo: aqui estão os ricos de Portugal. Que paguem a crise". E em Agosto de 2010: "É nossa convicção não fazer mais nenhum aumento de imposto. Nem directo nem encapotado. Do nosso lado, não contem para mais impostos". Em Março de 2011: "Já ouvi o primeiro-ministro (José Sócrates) a querer acabar com muitas coisas e até com o 13.º mês e isso é um disparate". Ainda em Março de 2011: "O que o país precisa para superar esta crise não é de mais austeridade". Em Junho de 2011: "Eu não quero ser o primeiro-ministro para dar emprego ao PSD. Eu não quero ser o primeiro-ministro para proteger os ricos em Portugal". Perante isto, há que dizer que pior que um "filho da puta", só um "filho da puta" aldrabão. Ora, José Sócrates era um mentiroso compulsivo. Disse-o aqui vezes sem conta. Mas fazia-o com convicção e até, reconheço, com alguma coragem. Este sacripanta de nome Coelho, não. É manhoso, sonso, cobarde. Refira-se apenas uma citação mais, proferida pelo mesmo "láparo", em Dezembro de 2010. Disse ele: "Nós não dizemos hoje uma coisa e amanhã outra (…) Nós precisamos de valorizar mais a palavra para que, quando é proferida, possamos acreditar nela". Querem melhor?

"O dia deu em chuvoso", escreveu Álvaro de Campos. É o "tempo dos coniventes sem cadastro / Tempo de silêncio e de mordaça / Tempo onde o sangue não tem rasto / Tempo de ameaça", disse Sophia. Tempo para minhocas e filhos da puta, digo eu. É o tempo do Portugal que temos.

Nota – Dada a exposição pública do jornal com esta crónica na última página, este título destina-se apenas a não ferir as sensibilidades mais puras. Ou mais púdicas.

Luís

O ESTADO NÃO TEM O DIREITO DE PAGAR A UNS E NÃO A OUTROS! ESTADO-LADRÃO!

“O Estado não tem o direito de pagar a uns e não a outros”

29-Out-2011

Antes de embarcar num avião para os Açores, onde vai estar este fim de semana no congresso dos juízes portugueses, o

magistrado António Martins teve tempo de explicar ao Expresso porque é que o corte dos subsídios de férias e Natal é ilegal -

não devendo ser cumprido mesmo que aprovado pelo Parlamento - e como é inadmissível que o Estado trate os seus credores

de forma diferente. Porque os funcionários públicos são tão credores como os donos da dívida pública.

- Porque é que o corte dos subsídios de férias e de Natal é ilegal?

- O património das pessoas só pode ser objecto de incorporação no património do Estado por vias legais. E elas são o imposto,

a nacionalização ou a expropriação. Não é possível ao Estado dizer: vou deixar de pagar a este meu servidor ou funcionário. O

que o Estado está a fazer desta forma é a confiscar o crédito daquela pessoa. Por força de uma relação de emprego público,

aquela pessoa tem um crédito em relação ao Estado, que é resultado do seu trabalho. Há aqui uma apropriação desse

dinheiro, que configura um confisco: isso é ilegal e inconstitucional.

- Mas não há excepções que tornem o corte legítimo?

- Há o estado de emergência e o estado de sítio, em que os direitos das pessoas podem ser comprimidos ou suspensos

durante algum tempo. Mas não foi decretado o estado de sítio ou o estado de emergência. E não o tendo sido decretado, o

Estado continua sujeito ao respeito dos direitos dos cidadãos. Pode-se dizer, e nós já o afirmámos, que vivemos um momento

difícil, em que é necessário salvar o país. E todos devemos ser mobilizados para essa salvação. Mas de forma adequada,

precisamente pela via do imposto.

- Quer dizer que a redução para metade do subsídio de Natal deste ano já não é ilegal?

- Não é um corte. É um imposto. O imposto é lançado sobre todos, ou seja, tem carácter universal, abrangendo todos aqueles

que têm capacidade contributiva, que advém dos rendimentos do trabalho mas também dos rendimentos do capital. E tem

ainda carácter progressivo, em que quem mais ganha mais paga. Essa é a via justa e equitativa que respeita o direito. É a via

adequada para salvar o país. Há um erro profundo na forma como se está a enquadrar esta questão. Porque há uma pergunta

que subsiste: onde pára o limite disto? Qualquer dia o Governo lembra-se de decidir que as famílias com dois carros vão ter de

entregar um. A situação é a mesma. Ficar com um carro de um cidadão ou ficar com o seu dinheiro é igual.

- E o que vai fazer para combater essa decisão?

- Da parte dos juízes, achamos que temos uma responsabilidade de cidadania e um imperativo de transmitir aos cidadãos

portugueses que esta medida, ainda que venha a ser aprovada pelo Parlamento e ainda que venha a ser lei, não é uma lei

conforme ao direito e à justiça.

- Será, portanto, uma lei ilegal?

- É uma lei ilegal e que não deve ser cumprida. Os cidadãos podem recorrer aos tribunais para salvaguardarem os seus

direitos. E no espaço dos tribunais, por enquanto, num Estado de direito, que se deve equacionar a legalidade das leis e o seu

cumprimento ou não. Cabe aos tribunais dizer se elas são conformes ao direito, à justiça e à constituição. Essa é a nossa

grande preocupação neste momento.

- Está a apelar para que se recorra em massa aos tribunais?

- Não se trata de um apelo. Caberá a cada cidadão fazer a sua opção. Não estamos a apelar a uma intervenção maciça das

pessoas juntos dos tribunais. Temos é um dever de fazer ouvir a voz dos juízes para que os cidadãos não se sintam

completamente desprotegidos e abandonados perante este poder fáctico do Estado e que tem apoio em comentadores e

opinion makers
que aparentemente caucionam toda esta actuação.

- Mas, se a decisão é aprovada pela maioria do Parlamento, ir contra ela não é, de certa forma, um ato de

desobediência civil?

- Não se trata de desobediência civil. É um exercício de um direito. Mas queremos, antes que venha a ser lei, que os

parlamentares não sejam apenas deputados eleitos na lista de um partido. Queremos que debatam, como representantes das

pessoas que os elegeram, se esta é a forma de um Estado ser um Estado de bem. Porque é que o Estado opta por dizer que

não paga a estas pessoas e, em vez disso, não opta por dizer que não paga às entidades com as quais fez negócios ruinosos

nos últimos anos, celebrando parcerias público-privadas com contratos leoninos?

- Há cláusulas nesses contratos que obrigam, certamente, a pagamentos de multas pesadas…

- E para os trabalhadores públicos não há cláusulas? É obrigação do Estado pagar-lhes os vencimentos, incluindo o 13.º e o

14.º meses. Está na lei.

- Acharia mais legítimo não pagar parte das parcerias público-privadas?
- Um Estado de bem tem a obrigação de pagar a todos os seus credores. Se não tiver possibilidade de pagar a todos, também

não tem o direito de dizer que paga a uns e não paga a outros. Esta é a questão. O Estado não tem direito de dizer que paga

aos seus credores internacionais, aos seus credores das parcerias público-privadas, aos credores que defraudaram os

depositantes no BPN e no BPP, mas não paga às pessoas que trabalham no sector público.
Micael Pereira | Expresso | 29-10-2011

sábado, 12 de novembro de 2011

Padre Vitor Melícias "O Franciscano"!!!

[Mensagem que circula nas redes sociais, denunciando o cinismo na Igreja e domínios afins...AZ]
PADRE VITOR MELÍCIAS "O FRANCISCANO"!!!
AQUELE FRANCISCANO AMOROSO QUE IMPEDIU QUE TODAS AS AGENTES EM GEREATRIA (AJUDANTES DE LAR) DA SANTA CASA DA MISERICORDIA DE SETÚBAL E OUTRAS FOSSEM CONSIDERADAS TÉCNICAS E VIRAM O SEU VENCIMENTO REDUZIDO PARA MENOS DE METADE, TUDO EM NOME DE DEUS, CLARO...
mais um pobrezinho... com pensão de 7450 euros

O padre Vítor Melícias, ex-alto comissário para Timor-Leste e ex-presidente do Montepio Geral, declarou ao Tribunal Constitucional, como membro do Conselho Económico e Social (CES),um rendimento anual de pensões de, e só:
104 301 euros .

Em 14 meses, o sacerdote, que prestou um voto de obediência à Ordem dos Franciscanos, voto de pobreza a que a Ordem Franciscana obriga, tem uma pensão mensal de 7450 euros. O valor desta aposentação resulta, segundo disse ao CM Vítor Melícias, da "remuneração acima da média" auferida em vários cargos.


Com 71 anos, Vítor Melícias declarou, em 2007, ao Tribunal Constitucional um rendimento total de 111491 euros, dos quais 104 301 euros de pensões e 7190 euros de trabalho dependente.
'Eu tenho uma pensão aceitável, mas não sou rico'
, diz o sacerdote.


Melícias frisa que exerceu funções com 'remuneração ligeiramente acima da média", que corresponde a uma responsabilidade na Misericórdia de Lisboa, no Serviço Nacional de Bombeiros.

E eu a julgar que esta gente praticava o "espírito de missão" e o "trabalho de voluntariado"...

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Folha salarial indecente da Fundação Cidade de Guimarães!...

[Mais uma informação que corre nas redes sociais e está noticiado em vários jornais, ler aqui. A falta de pudor e respeito pela sacrificada população portuguesa é notória, revela a "moral" de quem aceita estes cargos, monetariamente acima dos de PM e PR. Receberão também estes prebendas por outras vias...AZ]

Folha salarial da Fundação Cidade de Guimarães
Folha salarial (da responsabilidade da Câmara Municipal) dos
administradores e de outros figurões, da Fundação Cidade de Guimarães, criada para a Capital da Cultura 2012:


- Jorge Sampaio - Presidente do Conselho de Administração:14.300 € (2 860 contos) mensais + Carro + Telemóvel + 500 € por reunião
- Carla Morais
- Administradora Executiva
12.500 € (2 500 contos) mensais + Carro + Telemóvel + 300 € por reunião
- João B. Serra
- Administrador Executivo
12.500 € mensais + Carro + Telemóvel + 300 € por reunião
- Manuel Alves Monteiro
- Vogal Executivo
2.000 € mensais + 300 € por reunião

Todos os 15 componentes do Conselho Geral, de entre os quais se
destacam Jorge Sampaio, Adriano Moreira, Diogo Freitas do Amaral e Eduardo Lourenço, recebem 300 € por reunião, à excepção do Presidente (Jorge Sampaio) que recebe 500 €.
Em resumo: 1,3 milhões de Euros por ano (dinheiro injectado pelo Estado Português) em salários. Como a Fundação vai manter-se em funções até finais de 2015, as despesas com pessoal deverão ser de quase 8 milhões de Euros !!!
Reparem bem: Administradores ganhando mais do que o PR e o PM !
Esta obscenidade acontece numa região, como a do Vale do Ave, onde o desemprego ronda os 15 % !!!
Alguém acredita em leis anti-corrupção feita por corruptos?

sábado, 5 de novembro de 2011

A "Ferme Générale" no Antigo Regime em França...

An epoch so conscious of itself as the present is impossible of comprenhsion without creative, antecipating, warning, leading criticism - Oswald Spengler, in Hours of Decision.
Se achas que és demasiado insignificante para fazer a diferença, é porque nunca passaste uma noite com um mosquito. - provérbio africano. 
A chamada "Ferme Générale" foi uma companhia de financeiros constituída em 1726 para cobrança de impostos directos (na altura em França o equivalente ao nosso IRS era chamado de Taille, um imposto injusto que recaía sobre os mais indefesos, estando os mais ricos livres de o pagar...), e os impostos indirectos, como o era o imposto sobre o sal.

O salário era...pago com sal.


O sal naquela altura tinha um papel de relevo na sociedade, pois permitia a manutenção dos alimentos secando o peixe e a carne, servindo de alimento para o gado, e era objeto de monopólio real, dele derivando a palavra salário.

Interior de um celeiro de sal. A corporação da Ferme Générale
cobrava o imposto sobre o sal, em Francês, a "gabelle".
Crédito da imagem: http://www.douane.gouv.fr/page.asp?id=164
O papel desempenhado na altura pela Ferme Générale é equivalente ao que é hoje efetuado pelas instituições privadas a quem o Estado delega essas missões. Na época do Antigo Regime, esta Ferme Générale foi criada quando a monarquia vivia com problemas financeiros crónicos... Para o rei, este organismo apresentava a vantagem de trazer para o seu cofre receitas regulares, sem que ele, o rei, tivesse que se preocupar com a recolha dos impostos. Dava muito aborrecimento!...

Um grande número de homens das finanças de Ferme Générale
foram guilhotinados na Revolução Francesa...

Compreende-se que uma turba de financeiros de origem duvidosa se apropriasse dos direitos que a "ferme" lhes dava, enriquecendo muito rapidamente com fabulosas fortunas. Porém, em finais de do sec. XVIII, a Ferme Générale é o símbolo de uma sociedade desigual, perversa política e socialmente. E, por este motivo, compreende-se que a "Ferme Générale" tenha sido um dos alvos preferenciais da Revolução Francesa. Dos seus fabulosamente ricos tiranos, 28 foram guilhotinados, um deles foi o célebre químico e homem político Antoine Laurent de Lavoisier.

O grande químico Lavoisier também trabalhou para a Ferme Générale. Crédito imagem:

Este grande homem de ciência defendeu-se das acusações severas de corrupção alegando que a sua associação à Ferme Générale era com o propósito de arranjar financiamento para as suas pesquisas. A análise desta instituição finaceira mostra perfeitamente que a raiz dos problemas atuais es´ta longe do séc. XXI e que a compreensão do seu funcionamento e conluio com o poder e a desgraça que trouxe e traz à sociedade, representa o dramático retrocesso civilizacional a que todos nós hoje assistimos.

É perfeitamente claro o que poderemos esperar no futuro, hoje, dia em que a chanceller Angela Merkel avisou que a crise está aí para durar mais uns dez anos, no mínimo. O que ela quis na verdade dizer é que esta crise, é o sistema político pérfido que os "políticos" atuais, sicários da Banca e grandes corporações, nos querem de vez impôr!

Acabou o recreio!

[Mais uma mensagem de alerta que corre nas redes sociais. Há que acabar com este assalto ao cidadão em nome do quê?...AZ]

Cumpri o meu dever de cidadania. Cumpre o teu e envia para todos os teus contactos.



Abraço.

"Ora aqui vai outro importante contributo, para que o Ministro das Finanças não continue a fazer de nós parvos, dizendo com ar sonso que não sabe em que mais cortar.

Acabou o recreio!

Se todos vocês reencaminharem como eu faço, ao fim do dia seremos centenas de milhar de "olhos mais bem abertos".Orçamento do Estado
Todos os ''governantes'' [a saber: os que se governam...] de Portugal falam em cortes das despesas, mas não dizem quais, e aumentos de impostos, a pagar pela malta
Não ouvi foi nenhum governante falar em:
. Reduzir as mordomias (gabinetes, secretárias, adjuntos, assessores, suportes burocráticos respectivos, carros, motoristas, etc.) dos três Presidentes da República retirados.
. Redução dos deputados da Assembleia da República e seus gabinetes, profissionalizando-os como nos países a sério. Reforma das mordomias na Assembleia da República, como almoços opíparos, com digestivos e outras libações, tudo à custa do pagode
. Acabar com os Institutos Públicos e Fundações Públicas que não servem para nada e têm funcionários e administradores com 2º ou 3º emprego.
. Acabar com o pagamento de 200 € por presença de cada pessoa nas reuniões das Câmaras e 75 € nas Juntas de Freguesia
. Acabar com o Financiamento aos Partidos. Que devem viver da quotização dos seus associados e da imaginação que aos outros exigem para conseguirem verbas para as suas actividades
. Acabar com a distribuição de carros a Presidentes, Assessores, etc, das Câmaras, Juntas, etc., que se deslocam em digressões particulares pelo País.
. Acabar com os motoristas particulares 20 h/dia, com o agravamento das horas extraordinárias... para servir suas excelências, filhos e família. Acabar com a renovação sistemática de frotas de carros do Estado e entes públicos menores, mas maiores nos dispêndios públicos.
. Colocar chapas de identificação em todos os carros do Estado. Não permitir de modo algum que carros oficiais façam serviço particular tal como levar e trazer familiares e filhos às escolas, ir ao mercado a compras, etc. Acabar com o vaivém semanal dos deputados dos Açores e Madeira e respectivas estadias em Lisboa em hotéis de cinco estrelas pagos pelos contribuintes que vivem em tugúrios inabitáveis...
. Acabar com os "subsídios" de habitação e deslocação a deputados eleitos por circulos fora de Lisboa... que sempre residiram na Capital e nunca tiveram qualquer habitação nos circulos eleitorais a que concorreram!
. Controlar os altos quadros "colocados" na Função Pública (pagos por nós...) que quase nunca estão no local de trabalho. Então em Lisboa é o regabofe total: HÁ QUADROS QUE, EM VEZ DE ESTAREM NO SERVIÇO PÚBLICO, PASSAM O TEMPO NOS SEUS ESCRITÓRIOS DE ADVOGADOS A CUIDAR DOS SEUS INTERESSES, QUE NÃO OS DA COISA PÚBLICA...
. Acabar com as administrações numerosíssimas de hospitais públicos que servem para garantir tachos aos apaniguados do poder - há hospitais de província com mais administradores que pessoal administrativo. Só o de PENAFIEL TEM SETE ADMINISTRADORES PRINCIPESCAMENTE PAGOS... pertencentes ás oligarquias locais do partido no poder...
. Acabar com os milhares de pareceres jurídicos e outros, caríssimos, pagos sempre aos mesmos escritórios que têm canais de comunicação fáceis com o Governo no âmbito de um tráfico de influências que há que criminalizar, autuar, julgar e condenar.
. Acabar com as várias reformas, acumuladas, por pessoa, de entre o pessoal do Estado e de entidades privadas, que passaram fugazmente pelo Estado.
. Pedir o pagamento dos milhões dos empréstimos dos contribuintes ao BPN e BPP, com os juros devidos!
. Perseguir os milhões desviados por Rendeiros, Loureiros e quejandos, onde quer que estejam e recuperar essas quantias para os cofres do Estado.
. E por aí fora... Recuperaremos depressa a nossa posição, sobretudo a credibilidade tão abalada pela corrupção que grassa e pelo desvario dos dinheiros do Estado .
. Quem pode explicar porque é que o Presidente da Assembleia da República tem, ao seu dispor, dois automóveis de serviço? Deve ser um para a "pasta" e outro para a "lancheira"!...?
Nas suas deslocações o Presidente da Republica não precisa de levar tanta gente. Ainda agora na deslocação aos Açores, segundo a SIC, até mordomo levou. Isto é uma vergonha! Ainda hoje, dia 05/10, disse que o exemplo deve ser dado pelos altos cargos públicos. Então, como é que é?
AQUI JÁ VÃO MUITAS IDEIAS PARA O MINISTRO DAS FINANÇAS
SABER ONDE CORTAR. NÃO CORTE À TOA NA SAÚDE E EDUCAÇÃO.
Envie-a, pelo menos, 12 pessoas. Isto não pode parar. Nós contribuintes pagamos tudo.